sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

O covarde voltou!!

A máfia não aprende. Eles se expôem com muita facilidade. Basta jogar um biscoito e eles correm com o rabinho abanando. Andaram sumidos. Viviam aqui me atacando, mas depois que dois sujeitos foram parar na cadeia, ainda que por um breve período, sumiram todos. Um dos covardes (machão para matar uma criança) fugiu.

Nos dois últimos posts, falei sobre o Procurador Federal da República Adailton Ramos do Nascimento (catatau) e do Desembargador corregedor de merda nenhuma (Toninho das moças). 

Há dois dias o covarde não se conteve e voltou a escrever comentários meu blog, depois de muitos meses escondido no cativeiro. A história é a de sempre:

- Eu falo basteira, ninguém da ouvidos, eu deveria estar preso, meu nome é sujo, eu não tenho mais o que fazer e por ai vai. Depois, encerra com a clássica provocação infantil do tipo "Não vai publicar?", como se eu tivesse medo do que escrevem.

A máfia voltou a se manifestar aqui no blog por uma simples razão. O acordo com o (TJMG) Tribunal de Jagunços de Minas Gerais já está fechado. Eles estão seguros novamente. Sabem que vão escapar desta, mas não por serem inocentes, mas por pagarem propinas. Estão pagando o tribunal para anular tudo e para sairem impunes, como é natural em um país como o Brasil. Quando estavam inseguros, temendo as condenações ficaram escondidinhos em casa, chorando e rezando. Os covardes são assim mesmo. Se recolhem quando estão com medo e saem rugindo quando alguém já limpou a sua barra.



Quando tudo estava na 1a Vara Criminal em Poços de Caldas, estavam todos amedrontados, escondidos, preocupados. Agora que conseguiram praticamente afastar o juiz, estão novamente valentões. Os valentões ameaçaram a família do juiz, e estão comprando sentenças e habeas corpus para se safarem.

Os comentários publicados estão abaixo.

Paulo
você não tem mais nada pra fazer além de "pesquisar" e se preocupar com a vida dos outros?
Tente limpar seu nome, que é mais sujo que pau de galinheiro.
Você não é ninguém, é um lixo, ninguém dá bola se você está escrevendo outro livro. Ninguém nunca leu nem o primeiro. Também vá escrever mal assim lá longe...
De tanto cutucar onça com vara curta, está demorando pra alguém te botar na cadeia. Vou aplaudir de pé...
Vai publicar isso ou não?????

Não dá pra ler tanta abobrinha e não falar nada...Bem que me avisaram de que você só escreve merda (imitando o seu nível de vocabulário). Provavelmente este "catatau" vai ter motivo pra dar boas gargalhadas de você! 
Tente escrever uma poesia, uma crônica, sei lá...mas você nem sabe o que é isso né?
Vai ignorar este comentário tb? Só publica ELOGIOS????? 
(Não sou louca de assinar...você é capaz de tudo...)
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk 

Caro anonimo, aqui vai a minha resposta para os dois posts.

Eu prefiro gastar meu tempo escrevendo, pesquisando e lutando, do que ficar fugindo, escondido em algum prostíbulo da cidade, ou fugindo da justiça. Eu não entendo quando você fala em se preocupar com a vida dos outros. É a vida do meu filho que foi exterminado e meu filho não é "os outros".

Eu  não  me lembro de ter em meu nome alguma condenação criminal. Acho que você está invertendo o jogo. No Brasil isto tem funcionado bastante. Quem rouba acusa o inocente de ser o ladrão. Quem mata acusa a vítima de ser a culpada. Eu também nunca fui preso, nunca matei e nunca precisei me esconder da polícia. A polícia brasileira sabe onde eu moro, e estou aqui.

Se eu sou um lixo, ou um ninguém não muda o fato de vocês terem matado vários pessoas para vender órgãos, fraudar o SUS, desviar medicamentos controlados (drogas) do hospital, exterminar testemunhas dentre outras coisas. Mais uma vez você está tentando invertendo o jogo. Lixo é a pessoa que faz o fizeram (e ainda estão fazendo). Até onde eu sei, os condenados pela justiça são vocês.

Eu não escrevi um livro para obter um prêmio ou para ficar rico. Nunca disse que meu vocabulário é extraordinário e confesso que a cada dia tenho mais dificuldade com isso, agora que conheço outras línguas. Mas tenha a certeza de que quem acessa o meu blog, ou leu o meu livro, entendeu muito bem o recado para a sua infelicidade. Mas se você quiser me ensinar português, gramática ou me a me ajudar a melhorar meu vocabulário, será um prazer. Pena que eu não posso saber quem você é! Fica difícil aprender com alguém que se esconde.

Até agora, de tudo o que foi escrito - inclusive em sentenças judiciais - vocês não conseguiram apresentar uma prova sequer em contrário. Vocês não conseguiram derrubar uma só acusação. Vocês sabem que são assassinos, sabem que são covardes, sabem que são podres, mas insistem em fazer este joguinho.

A inversão é tanta que insinua que sou capaz de tudo. Ora, quem é capaz de matar uma criança e fugir da justiça? Quem é capaz de matar testemunhas? Quem teve de pedir asilo? Mais uma vez aquela velha tentativa de acusar seu opositor daquilo que você é. Mas é um tanto complexo para sua cabecinha entender isso. 

Faço votos de que um dia você possa sair do armário, da escuridão e mostrar sua identidade para me atacar. A covardia não faz bem a você e nem aos seus filhos que observam o que você está fazendo o tempo todo. Sinto que você nunca poderá sentir o sabor de poder falar com a cara limpa, mostrando os dentes, sem temer a ninguém por falar a verdade. Deve ser horrível ser covarde e ter de viver as escondidas.



quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Aprenda com a justiça COSA NOSTRA brasileira

Após a condenação dos médicos no Caso Pavesi, a imprensa poçoscaldense que vive de propinas dos acusados, tratou de inverter os assuntos. Nada era publicado sobre a condenação e informes dos médicos eram estampados em primeira página, alegando inocencia dos mesmos. Os informes foram publicados exaustivamente nos jornais e também em horário nobre das televisões da região e também da capital de Minas Gerais. 

Joseph Goebbels era uma amador perto desta máfia. 

Diante desta total inversão de valores, que no Brasil parece ser natural, o juiz Narciso de Castro, com base no artigo 387, VI, do código do processo penal, determinou a publicação da sentença para que a cidade tivesse conhecimento real dos fatos. Eis o que diz a lei:
CPP - Decreto Lei nº 3.689 de 03 de Outubro de 1941
Art. 387. O juiz, ao proferir sentença condenatória: (Vide Lei nº 11.719, de 2008)
VI - determinará se a sentença deverá ser publicada na íntegra ou em resumo e designará o jornal em que será feita a publicação (art. 73, § 1o, do Código Penal ).
Agindo dentro da lei e com a intenção de se fazer justiça, Narciso fez o que muitos não teriam a coragem de fazer, e no Brasil, quem tem coragem tem de pagar um preço.

Entra na história o mafioso desembargador corregedor de justiça Antonio Servulo (ou Servo). Mais um daqueles vagabundos que adoram ganhar umas verdinhas, ou apenas agradar a máfia que tão bem conhece. 

Antonio Servulo é natural de São João da Boa Vista, mas tem Poços de Caldas no centro do seu coração. É em Poços que o desembargador passa os finais de semana com a família, perto da COSA NOSTRA. É lá também que o desembargador recebe os carinhos em espécie. A foto ao lado nos mostra um senhor com seu ar de arrogância extrema. Ele tem um dever a ser cumprido e o fará. A irmã do servo é serva no tribunal de justiça de Poços de Caldas. Aquela história de nepotismo é só mais uma lenda.

Antonio Servulo determinou abertura de processo contra o Juiz Narciso de Castro para aplicação de censura, alegando que o juiz ultrapassou os limites da justiça. Ora, a publicação na sentença está previsto em código penal. O desembargador quer a punição de Narciso para proteger a máfia. Se ele estivesse mesmo preocupado com os fatos, teria criticado a publicação dos médicos, mas não o fez. Ao contrário! Ficou em silêncio. 

Este desembargador mafioso está apenas cumprindo o papel que lhe foi determinado. Ele não foi colocado no posto de desembargador chefe da corregedoria á toa. Ele tem que pagar a mensalidade da mafia e neste caso ele usa a caneta.

Servulo está apenas protegendo interesses da máfia que ele faz parte. Não, meus leitores, a máfia de que estou falando não é a dos órgãos ilícitos provenientes de crianças vivas. Eu até ficaria preocupado se ele tivesse ocupado algum cargo na justiça de adoção internacional. É uma máfia muito maior da qual a máfia dos órgãos é apenas um braço. Servulo serve a máfia da justiça, aquele que solta traficantes de drogas mediante um sentença bem paga. O corregedor bem que poderia estar investigando isto, mas seus compromissos não permitem.



O desembargador, como se vê na foto, é um homem bastante narcisista. Nas terras do tráfico de órgãos é conhecido como Toninho Servulo ou Toninho das moças. Esta é uma das virtudes da máfia. O sucesso entre as mulheres. E "das moças" tem lá no sul de minas o seu espaço. Haja Viagra para as aventuras deste sujeito. 

Na denúncia apresentada contra o Juiz Narciso de Castro, o desembargador demonstrou estar preocupado com os réus e o que a verdade poderia causar em suas vidas. Mas em nenhum momento demonstrou preocupação com meu filho, assassinado pelos réus cruelmente sem chance de defesa nenhuma e anestesiado. 

Este covarde vigarista deveria estar pensando em uma forma de punir quem mata crianças, mas acho que as moças devem ter prejudicado sua capacidade de raciocínio. Mas ainda acho que o que esta pesando mesmo é o dinheiro. Deve estar ganhando uma fortuna para proteger esta quadrilha.

Caro desembargador, como pode ver eu lhe chamei de covarde, vagabundo, mafioso e outras coisas mais. Poderia ter dito mais, mas estou num processo de poupar a minha saúde. Gostaria muito que me processasse. Seria um prazer, mesmo sabendo que você tem o tribunal nas mãos e que no Brasil a justiça vale um desembargador como você.

Você pode censurar meu blog se quiser. 
Mas não vai conseguir censurar o meu segundo livro.  
E advinha que tem um papel especial nele?

PS. O juiz Narciso de Castro chegou a Poços de Caldas sem conhecer ninguem da cidade. Fez seu trabalho e condenou assassinos com base em provas e evidencias. Foi considerado suspeito. Mas o desembargador Toninho das Moças que fez sua vida em Poços de Caldas, não é suspeito de nada. Justiça de merda.


sábado, 14 de fevereiro de 2015

Você conhece o catatau das Minas Gerais?

Caros leitores deste blog. Hoje vou escrever sobre um personagem do tráfico de órgãos, mais importante que os assassinos do meu filho. Trata-se de um sujeito cuja estatura é baixa em todos os sentidos. O catatau das Minas Gerais chama-se Adailton Ramos do Nascimento. Procurador Federal da República, Adailton tem um papel essencial na máfia do tráfico de órgãos de Minas Gerais. Ele é o capacho que limpa todas as sujeiras na esfera judicial. 

Adailton é aquele que visita a sede do PSDB, onde está o núcleo da máfia - a saber - Carlos Mosconi. 

Durante as investigações, Adailton recebeu diversas provas e informações sobre os crimes que estavam sendo cometidos na cidade de Poços de Caldas. Graças as propinas, o vagabundo ignorou todas elas. É um sujeito desprezível e que tem um certo apreço por uma graninha. Pagando bem, ele faz qualquer negócio. 

Embora o crime tenha sido praticado no Hospital da Santa Casa, Adailton - e só Adailton - entendeu que o crime foi praticado no Hospital Pedro Sanches, contrariando as mais simples provas e evidências existentes no processo. Se tal opinião viesse de um leigo, eu entenderia, mas vindo do catatau, procurador da república, é algo a ser investigado. 

Adailton é o procurador que ajudou a inserir documentos adulterados durante as investigações. Ele foi comprado para aceitar tais documentos como se fossem verdadeiros e assim o fez. Este episódio eu espalhei pela rede em 2001 e 2002, e o catatau me processou.

O tiro saiu pela culatra. Fui absolvido e a justiça reconheceu que era no mínimo estranho, que o procurador tenha excluído da denúncias os principais assassinos. Diante desta absolvição, não me restou outra alternativa exceto apresentar uma queixa contra o catatau no CNMP - Conselho Nacional do Ministério Público. 

É preciso, antes de continuar, fazer uma pequena pausa para explicar quem é (ou o que são) o CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público). No Brasil é natural que um certo profissional seja julgado pelos seus pares. Isto em paises civilizados também acontece, mas sem o corporativismo tão conhecido no Brasil. Médicos no Brasil são inocentados por médicos. E com procuradores não é diferente. Procuradores inocentam procuradores. A representação virou-se contra mim. Apesar de uma decisão judicial dizendo que Adailton deixou nomes importantes escaparem, o catatau foi absolvido pelo CNMP. 

Segundo o CNMP eu deveria ser preso e enjaulado. Onde já se viu acusar um procurador de ser corrupto, vagabundo e um grande filho da puta? Só mesmo um louco faria isso, ou alguém que descobriu que o filho teve os órgãos retirados quando ainda estava vivo. Na minha situação, a segunda hipótese é a correta. Mas, por uma questão de auto preservação do Conselho, eles adotaram a primeira.

Adailton Ramos do Nascimento, livrou-se de qualquer punição, ainda que a justiça tenha confirmado o que eu disse sobre ele. Mais do que isto! O catatau virou o chairman do Ministério Público Federal em Minas Gerais. Sabe como é né? No Brasil temos que dar valor a quem é da estirpe deste sujeito.

A vida continuou e a confirmação das minhas acusações vieram no decorrer do processo. Adailton foi chamado como testemunha de defesa dos assassinos. E em juizo, o catatau disse que não se lembrava de muita coisa. Mas pode afirmar que tinha certeza de ter visto as chapas de uma arteriografia que nunca existiram. O catatau mentiu em juízo para tentar pela segunda vez, livrar os assassinos da cadeia. Adailton é daqueles advogados frustrados que encontram no MP um modo de ganhar dinheiro fácil. Ele não precisa fazer nada. Basta pegar a propina e livrar bandidos das garras da justiça. E o catatau faz isto muito bem.

Adailton foi levado novamente ao CNMP, desta vez com denúncias mais pesadas. Com provas mais contundentes, com mais substância, com mais originalidade. E novamente o corrupto foi absolvido pelo Conselho, que nada viu, nada sabe, nada investiga, nada pensa. Adailton tem um compromisso com uma organização criminosa, e o Ministério Público é um braço desta organização. Basta ver o processo. São dezenas e dezenas de tentativas de livrar a máfia, todas vindas do Ministério Público, que tem o papel de acusar. Se quem tem o papel de acusar, protege os acusados, significa dizer que não existe justiça. 

Como escrevi em meu livro, trata-se de uma luta insana. Minha luta não é contra os assassinos, mas contra o estado de direito dito democrático. O Estado está fazendo de tudo para que assassinos de crianças não sejam punidos. E lutar contra o Estado é algo desumano. Quando um Estado luta contra outro, é preciso o uso de força militar (leia-se guerra). Quando um cidadão comum luta contra um Estado é apenas um cenário de covardia. 

Catataus como Adailton Ramos do Nascimento, cujo caráter é comparável a de uma prostituta (com perdão as prostitutas), a luta se torna impossível. Pessoas assim vendem a própria mãe para que seu ego e suas ambições financeiras sejam satisfeitas. Nada tem tanto poder quanto alguns pacotes de verdinhas. Não há provas e nem consciência moral capaz de romper este ciclo.

Quando você ouvir falar das máfia das próteses, máfia do lixo, máfia da água, máfia do que quer que seja, saiba que por trás de cada uma delas tem um catatau como Adailton. O crime no Brasil só é prospero devido a qualidade do Ministério Público. E para que tudo funcione com perfeição para os bandidos, nasceu o CNMP, um bando de corruptos, vigaristas, vagabundos, que ganham uma fortuna para dizer que no Brasil, nada é crime.

Se você cometeu algum crime em Minas Gerais, chame o catatau! Pague a sua propina em dia, e vá para casa comemorar a impunidade. O inferno não tem limites.

PS. Este texto foi enviado ao CNMP. Seria legal que o CNMP fizesse agora uma nota de desagravo ao catatau. Não é justo chamá-lo de corrupto diante de tanta gente corrupta. 


domingo, 8 de fevereiro de 2015

Você é desonesto? Não? Talvez esteja na hora de mudar de rumo.

A Revista Época publicou uma reportagem com áudios de interceptações telefônicas, que em um país sério, causaria sérios problemas para o interlocutores. No Brasil, servirá apenas para mostrar o quanto o brasileiro é capacho e ignorante, aceitando isto tudo como algo normal. 

Viva o Carnaval!! 200 mil pessoas seguiram o bloco bangalafumenga (que merda de nome é este?) em São Paulo.

O governador de Mato Grosso teve a casa vasculhada pela Polícia Federal em uma ação de busca e apreensão, autorizada pelo Supremo Tribunal Federal. O governador em questão desviou uma bolada dos cofres públicos. Até ai, nenhuma novidade. Político no Brasil é ladrão, corrupto, e enriquece usando o poder que tem. Todo mundo sabe. Todo mundo já está cansado de saber. 

Sabe o que aconteceu?

O Ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes telefoneu ao governador (amigo de longa data) para prestar solidariedade! Sim. O sujeito meteu a mão no dinheiro público, foi preso com uma arma cujo registro estava vencido, e recebe ligação de Ministro do Supremo!!! 

Você já tentou falar com algum Ministro? Eles não tem tempo para nada! Não podem atendê-lo. O tempo livre, gastam em solidariedade com amigos de longa data. Mas não é só isso. Para encerrar a conversa, o ministro diz: "Eu vou lá (ver o processo), depois, se for o caso, a gente conversa". Ou seja, ele ainda sugere que poderá dar informações privilegiadas ao corrupto. 

Em outro momento, o corrupto recebe a ligação do Ministro da Justiça!!! Entre outras preocupações do ministro está o comportamento da Polícia Federal: "Agora, o pessoal da PF se comportou direitinha com você?" pergunta o Ministro.

Cambada de vagabundos! Pessoas desonestas, sujas, que não valem o que cagam. 

Esta é a justiça que gasta anualmente mais de 50 bilhões e não consegue julgar um caso de homício em menos de 20 anos. Um bando de bandidos e marginais piores do que aqueles que estão sendo julgados por eles. São covardes, omissos, fraudadores da lei e movidos a propinas. São pessoas que não possuem caráter nenhum. São vigaristas da pior espécie. 

Em 15 anos de espera, depois de tudo o que fizeram ao meu filho, a mim e a minha família, estes filhos da puta não respondem a um e-mail sequer, mas ligam para governadores corruptos para serem solidários. 

Gilmar Mendes e José Eduardo Cardozo, vocês são dois grandes filhos da puta. Nada mais do que isto.

Eu acho que o brasileiro deveria pensar em mudar de rumo. Estamos vendo a cada dia que o outro lado vence com facilidade. Matar crianças, estuprar indefesos, roubar dinheiro público, corromper, ser corrompido, traficar drogas e órgãos humanos, tudo isto funciona no Brasil com a conivência da justiça. 

Jamais imaginei que iria ter tanto nojo do país em que nasci. Nunca imaginei que este país fosse tão sujo como é. Eu tenho verdadeiro nojo do Brasil. É repugnante ver uma nação com tanta gente sem caráter, sem o mínimo respeito e a mínima dignidade. 

O Brasil precisa de uma guerra civil em que morra muita gente. 

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Juri popular marcado. Família não foi e nem será oficialmente avisada.

O tribunal de jagunços do Estado de Minas Gerais (TJMG) anunciou à imprensa a data do julgamento do assassinato do meu filho, para o próximo dia 11 de março se não me engano. Nós não recebemos qualquer comunicado oficial, seja por obrigação constitucional, ou por consideração. A festinha será realizada em Belo Horizonte, após 15 anos de espera. 

Caso sejam condenados (o que seria um verdadeiro milagre diante das propinas que estão sendo liberadas), sairiam todos pela porta da frente, e poderão aguardar mais 5 ou 7 anos de recursos em liberdade. Mas se tudo funcionar como o previsto, sairão pela porta da frente sorrindo e comemorando a impunidade, e o assassinato de uma criança de 10 anos como se esta fosse apenas um animal de estimação.

Atualmente o Fantástico da Rede Globo tem denunciado a máfia das próteses que utiliza AIHs falsas para desviar dinheiro do SUS. Álvaro Ianhez, o principal mentor técnico desta quadrilha, já fazia isto há 15 anos. As provas e testemunhas deixaram claro que AIHs eram emitidas fraudulentamente para que Álvaro desviasse dinheiro do SUS. No TJMG e com a ajuda de Carlos Mosconi (o principal beneficiado com estes desvios), foi completamente absolvido. Ianhez também criou uma Central de Transplantes Clandestina, que seu utilizava de um laboratório clandestino para realizar exames e transplantes. O SUS pagava este esquema, que sequer possuia um CNPJ. E novamente tudo foi abafado. O bom velhinho foi absolvido de todas as acusações. 

Foram 8 casos e o nome de Ianhez, mesmo sendo o chefe formal da equipe, e citado em vários depoimentos como participante de todos os transplantes, foi relacionado apenas com o caso Pavesi. Livrou-se (não se sabe como - ou até sabemos) de acusações em outros casos. Fugiu para o Amazonas onde denuncias de tráfico de órgãos começaram a surgir, voltou para Minas, e recentemente foi eleito quase que por unanimidade a ocupar um cargo no SBN (Sociedade Brasileira de Nefrologia) como um prêmio por matar uma criança inocente. 

O juri foi incialmente marcado para 2010. Desde então há um esforço relatado inclusive em sentença, em que promotores, advogados, juízes, desembargadores, evitassem o julgamente a qualquer custo. Testemunhas foram assassinadas. Com muita coragem, o juiz que assumiu o caso determinou novos rumos aos processos e hoje vive perseguido pelo próprio TJMG. Em 2014 o caso deveria ir a julgamento, mas novamente a máfia conseguiu adiá-lo e levá-lo para outro cidade. Tudo está sendo meticulosamente programado para absolvição destes assassinos. O juri está sendo montado com pessoas próximas de Carlos Mosconi, ou com relações diretas com o seu partido. 

Finalmente em 2015 teremos um desfecho.  Há 15 anos, Carlos Mosconi, o chefe desta quadrilha vem dizendo a imprensa que os médicos já foram absolvidos. E continua repetindo isto a cada vez que se manifesta publicamente, com uma certeza invejável. Como se ele tivesse informações privilegiadas, e que ninguém tem. E certamente ele tem. Mosconi frequenta o TJMG como qualquer brasileiro frequenta um bar. Chama os ministros pelo apelido, abraça e dá presentes aos magistrados e desembargadores. Talvez seja por isto que em mais de 30 anos de vida pública e muita sujeira, nunca tenha enfrentado o banco dos réus. 

Transcrevo abaixo o último e-mail que enviei ao tribunal, bem como a resposta.

18 de janeiro de 2015
De: Paulo Pavesi
Para: TJMG - Fale conosco

Olá caros amigos do TJMG. Eu não gostaria de incomodar muito com este e-mail. Apenas peço informações. Eu espero ha 15 anos por um julgamento do caso do meu filho, assassinado pela mafia dos órgãos de Poços de Caldas. Parece que o caso não anda. Aliás, anda quando é para o benefício do réus. Pelo que vejo, o TJMG está esperando alguma oferta por parte da máfia para finalmente colocar o caso em julgamento. Infelizmente, asilado e vivendo uma vida muito prejudicada, eu não tenho como ofertar nada. E se tivesse não o faria, já que eu sou um imbecíl que ainda acredita que a justiça é neutra. De qualquer forma, gostaria de saber como andam as negociações, se a máfia já fez alguma oferta e se os envolvidos por parte do TJMG estão satisfeitos com tal oferta. Neste 15 anos de espera, onde até juiz já foi ameaçado, muitos crimes aconteceram em Minas e já foram julgados. O caso do meu filho morto aos 10 e que hoje estaria com 25 ainda está pendente. Por gentileza, peço ao tribunal que venda logo a sentença para que eu possa tomar as providências aqui na Europa. Sem uma decisão da justiça brasileira eu fico de mãos atadas. Vocês podem absolver, ou montar o juri como foi em Poços onde até enfermeiras da máfia faziam parte. Podem absolver os réus sem mesmo um julgamento. Só peço para que concluam logo o caso. Todos nós sabemos que a justiça no Brasil - em especial em MG - é uma questão de valores. Um grande abraço do asilo. Vocês destruiram a minha vida! Paulo Pavesi Ps. Os recursos de outros processos em que os médicos foram condenados também estão parados desde 2012. Não sei se os valores englobam estes processos, mas seria legal fazer uma pacotão único para facilitar para a máfia. Sabe como é. Está difícil vender órgãos ultimamente.

RESPOSTA

19 de janeiro de 2015
De: TJMG - Assessoria de Comunicação Institucional
Para: Paulo Pavesi 

Prezado Paulo,

Muito obrigado por contatar este canal de comunicação.
Com relação à solicitação enviada a este serviço, esclarecemos que este canal de comunicação presta informações administrativas e esclarecimentos ao cidadão sobre o papel, a estrutura e o funcionamento dos órgãos do Poder Judiciário, bem como sobre as ações e programas desenvolvidos pelo Tribunal de Justiça.

Na oportunidade, agradecemos a fineza de sua atenção e, por favor, qualquer dúvida, consulta ou sugestão referente a esta Instituição, fique à vontade em contatar-nos novamente.

Atenciosamente,
Tribunal de Justiça de Minas Gerais
Assessoria de Comunicação Institucional